Arquivo | fevereiro, 2013

Comprar ou não comprar…

24 fev

Acho que vou mudar o nome do blog para algo relacionado a consumo, pois este tem sido o assunto mais recorrente neste meio que vos fala.

Falta muito, muito pouco para que eu quite minhas dívidas. Daí, o próximo passo é reorganizar meu armário. Sim, eu tenho mais maquiagem do que roupa. Sou pão-dura pra roupa e não algo que me faça realmente feliz. Claro que gosto de estar bonita e arrumada, mas chegar até esse ponto que é o problema. Então fiúza listinha do que tenho que comprar e quando comprar.

Estava tudo caminhando bem até que entrei no site de uma loja que amo e achei um vestido lindo. Um vestido de algodão, não poliester, num preço acessível. E neste momento me corrôo com a dúvida: comprar ou não comprar!

Sejamos práticas:
Motivos para não comprar: não estou precisando no momento; não é o tipo de roupa que tenho que comprar, pois preciso priorizar roupas de trabalho; não quero abrir a caixa de Pandora que é inaugurar um novo cartão de crédito; estarei saindo do ,eu planejamento, já fiz isso antes e me ferrei.

Motivos para comprar: é um vestido de algodão num excelente preço; não tenho nada parecido no meu armário; se precisar de um vestido mais bem arrumado não tenho e vou acabar pagando mais caro num vestido vagabundo; posso pagar a parcela; é um investimento no meu projeto de reformular meu armário.

Se este humilde blog tivesse visitas e comentários liberados, juro que pediria uma opinião. Mas até o momento não faço a mais vaga ideia do que fazer. Com milhões passando fome, sei que é um tema muito fútil. Mas sinto que se comprar estarei enganando a mim mesma. E já perdi a confiança no meu talento com finanças. Sinto também que estou mais ligada a ideia de comprar. Do que aí vestido propriamente dito.

Bom, vou aguardar e esperar a vontade passar! E que eu tenha juízo.

Anúncios

Por dentro

19 fev

Mais um post pra falar de mim. Mas se o blog é meu e ninguém lê, que outro tema seria mais oportuno, certo? Mentira! Tem um monte de temas bons por aí, mas hoje vou de mim mesma.

Quando eu era adolescente tinha uma frase que me fazia revirar dentro de mim mesma de tanta raiva: “eu te conheço!”. Aplicada em: “eu te conheço, você não faria isso” ou “eu te conheço, você fará aquilo”.

Para mim esta frase era o cúmulo do previsível. Como alguém poderia ter a pretensão de conhecer a mim mais do que eu mesma?

Demorei um tempo, uns 15 anos, pra perceber que eu realmente não me conhecia, não sabia quem eu era. Mas de uma coisa eu nunca tive dúvida: seja lá quem eu saiba que seja, você não me conhece mais do que isso. Posso te surpreender ou te decepcionar, mas isso é uma ação minha e não algo determinado pelo o que você acredita.

Claro que hoje sou mais madura (?) e menos rebelde (?), mas mais do que nunca sei quem sou. Apesar de ter apenas uma vaga ideia de quem ainda poderei ser.

Sobre o nada e piegas, mas tinha que movimentar isso aqui.

2013

5 fev

Demorei pra escrever porque estava pensando num bom post de despedida de 2012 e um de boas-vindas pra 2013. Mas não deu. 2013 já está aí me estressando e me irritando. Mesmo eu sabendo que será um ano bom (ou talvez mais ou menos). 2013 inaugurado. Feliz ano novo!