De onde vem…

29 abr

Um daqueles dias em que tudo que eu queria era um silêncio absoluto. Queria apenas estar em casa, tomar um banho e dormir. Dormir por horas, dias… sem sonhar com nada, sem lembrar de nada.

Só quero dormir, dormir muito até a tempestade passar.
Até os fantasmas irem embora.
Até esquecer que não sei mais o que quero.

Benção

4 mar

Não sou exatamente uma pessoa religiosa, mas acredito em Deus e numa força que te conduz… Se a sua vibração for boa, pro bem.

Há 3 anos atras passei por um dos piores momentos da minha vida: fui diagnosticada com Síndrome do Pânico. Eram noite intermináveis de pavor, medo, ansiedade. Chorava compulsivamente e tinha sensação de que nunca iria suportar aquele peso, aquela dor, todo desconforto. Tinha medo de ficar maluca, de perder a noção. Tinha medo de morrer.

Nesse momento um anjo apareceu na minha vida. Quando eu já não tinha quase forças para procurar ajuda, ele surgiu. Foram quase 2 anos de tratamento. Com uns 6 meses eu já estava muito melhor. Porém, meu anjo da guarda foi embora, acho que ele precisava dar uma ajudinha lá em cima e foi embora numa manhã de domingo, vítima de um enfarto.

Meu chão ruiu. Mas eu devia minha cura a ele. E me curei.

Amanhã será um dia importante desta longa caminhada. Vou me dar alta. Me considero curada.

Ainda faltam alguns poucos passos para que isso seja apenas uma lembrança, um capitulo importante da minha vida. Mas está chegando ao fim.

Minha SDP foi muito, muito branda, por isso me considero abençoada. Mas serviu pra que derrubasse todos os meus preconceitos em relação a remédio, SDP, e outras doenças que afligem a tantas pessoas.

Hoje eu posso dizer: o bicho não é tão feio quanto parece. Não desista. A cura existe e está próxima. Procure ajuda. Eu juro que torço que apareça para você um anjo tão abençoado quanto o que apareceu para mim.

Não desista. Vale a pena! Acredite, o orgulho da superação é maior do que o medo.

Comprar ou não comprar…

24 fev

Acho que vou mudar o nome do blog para algo relacionado a consumo, pois este tem sido o assunto mais recorrente neste meio que vos fala.

Falta muito, muito pouco para que eu quite minhas dívidas. Daí, o próximo passo é reorganizar meu armário. Sim, eu tenho mais maquiagem do que roupa. Sou pão-dura pra roupa e não algo que me faça realmente feliz. Claro que gosto de estar bonita e arrumada, mas chegar até esse ponto que é o problema. Então fiúza listinha do que tenho que comprar e quando comprar.

Estava tudo caminhando bem até que entrei no site de uma loja que amo e achei um vestido lindo. Um vestido de algodão, não poliester, num preço acessível. E neste momento me corrôo com a dúvida: comprar ou não comprar!

Sejamos práticas:
Motivos para não comprar: não estou precisando no momento; não é o tipo de roupa que tenho que comprar, pois preciso priorizar roupas de trabalho; não quero abrir a caixa de Pandora que é inaugurar um novo cartão de crédito; estarei saindo do ,eu planejamento, já fiz isso antes e me ferrei.

Motivos para comprar: é um vestido de algodão num excelente preço; não tenho nada parecido no meu armário; se precisar de um vestido mais bem arrumado não tenho e vou acabar pagando mais caro num vestido vagabundo; posso pagar a parcela; é um investimento no meu projeto de reformular meu armário.

Se este humilde blog tivesse visitas e comentários liberados, juro que pediria uma opinião. Mas até o momento não faço a mais vaga ideia do que fazer. Com milhões passando fome, sei que é um tema muito fútil. Mas sinto que se comprar estarei enganando a mim mesma. E já perdi a confiança no meu talento com finanças. Sinto também que estou mais ligada a ideia de comprar. Do que aí vestido propriamente dito.

Bom, vou aguardar e esperar a vontade passar! E que eu tenha juízo.

Por dentro

19 fev

Mais um post pra falar de mim. Mas se o blog é meu e ninguém lê, que outro tema seria mais oportuno, certo? Mentira! Tem um monte de temas bons por aí, mas hoje vou de mim mesma.

Quando eu era adolescente tinha uma frase que me fazia revirar dentro de mim mesma de tanta raiva: “eu te conheço!”. Aplicada em: “eu te conheço, você não faria isso” ou “eu te conheço, você fará aquilo”.

Para mim esta frase era o cúmulo do previsível. Como alguém poderia ter a pretensão de conhecer a mim mais do que eu mesma?

Demorei um tempo, uns 15 anos, pra perceber que eu realmente não me conhecia, não sabia quem eu era. Mas de uma coisa eu nunca tive dúvida: seja lá quem eu saiba que seja, você não me conhece mais do que isso. Posso te surpreender ou te decepcionar, mas isso é uma ação minha e não algo determinado pelo o que você acredita.

Claro que hoje sou mais madura (?) e menos rebelde (?), mas mais do que nunca sei quem sou. Apesar de ter apenas uma vaga ideia de quem ainda poderei ser.

Sobre o nada e piegas, mas tinha que movimentar isso aqui.

2013

5 fev

Demorei pra escrever porque estava pensando num bom post de despedida de 2012 e um de boas-vindas pra 2013. Mas não deu. 2013 já está aí me estressando e me irritando. Mesmo eu sabendo que será um ano bom (ou talvez mais ou menos). 2013 inaugurado. Feliz ano novo!

Pensamento do dia

19 dez

Não importa o quão na merda você esteja. Sempre vai aparecer alguém pra te empurrar pra baixo. fuck it

Os delírio de consumo

18 dez

Tema recorente aqui no blog, minha vida financeira entrará para a lista de metas a serem cumpridas no próximo ano.

Sim, percebi que ninguém pode gastar da forma que eu gastava e ficar impune. Portanto, bora resolver logo isso e seguir com a vida.

Apesar dos pesares, vejo uma evolução no meu comportamento. Antes eu era a garota que nem via saldo bancário, e não fazia ideia de quanto devia. Hoje eu recebo meu saldo bancário por SMS toda semana. O banco também me ajudou, com sua super generosidade acabou com meu cheque especial e me liga quase diariamente para que eu cubra logo meu negativo e pague minhas contas.

Acho que se posso ajudar alguém que leia isto e que esteja pasando pela mesma situação as dicas são:

1) Encare o problema de frente. Saiba quanto você deve e tente negociar o mais rápido possível.

2) Estabeleça metas reais. Quanto mais rápido você se livrar da dívida, mais feliz será.

3) Não, você não precisa comprar tantas coisas para viver. Nestas horas o desprendimento é fundamental.

4) Relaxe, todo mundo erra na vida. Você não vai ser a primeira e nem a última, mas saiba que você pode se tornar uma pessoa livre, e isso, não tem preço.

Os próximos meses serão duros e sei que tenho que manter uma disciplina espartana. Mas vamos lá. Cabeça erguida e a consciência de que estou, literalmente, pagando pelos meu erros.

Existem sempre duas formas de se aprender uma lição, desta vez foi da forma mais dolorosa.

Outras metas em vista para 2013, se o mundo não acabar, mas ficarão para o próximo post.